Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

barba cabelo e gemidos

barba cabelo e gemidos

CRESPUCULO

 

                                   A  M  O  R

 

 

A CASA NA COLINA

 

7 – NÃO, NÃO É UM ADEUS

 

 

Durante alguns dias o relacionamento entre os dois passou a ser menos envolvente. Era uma situação confusa, parece que nenhum queria dar o passo em frente.

Luís começou a caminhar pelos campos, seguindo os carreiros que Joana lhe tinha ensinado. O livro que sempre o acompanhava ficava por abrir, o caminho por entre as árvores passou a ser o lenitivo para as suas mágoas. Abraçava as árvores, acariciava as flores campestres que encontrava no caminho, num momento de libertação e reconhecimento pela natureza.

Voltou à sombra que escolhera, sentou-se encostado ao velho tronco, e foi assaltado pela dúvida. Afinal o que se estaria a passar na sua vida, perguntava-se:

- Como é que tudo começara, e porque se encontrava, agora, só e perdido?

- Afinal ele queria encontrar um local, para viver só, com os seus medos e angústias. Mas o destino, quando nada esperava, levou-lhe ao encontro, uma mulher, ainda jovem mas com uma forma de estar na vida tão diferente, que o perturbava. Sentia que Joana escondia sentimentos de dor e a sua solidão teria alguma coisa a ver com um desgosto de amor. Porque percebera que ela era uma mulher que se dava e se escondia dum momento para o outro. Como se a paixão fosse qualquer coisa que lhe despertasse sensações, que queria esquecer. Joana vivera um sonho de amor, só podia ser, e algo correra mal e a fizera descrer. De repente deixava o sonho de amor e ficava com medo.

Estava perdido num labirinto de paixões. Desejava Joana com todas as forças de que ainda era capaz e estava disposto a enfrentar o futuro, mas seria justo prometer algo que não se tem a certeza de poder cumprir?

Mas, num dia igual a tantos outros, Luís encontrou Joana, despida e deitada na beira da represa coberta de flores, oferecendo o corpo ao calor do sol. Parou, ficou sem palavras mas… palavras para quê, perguntava-se?

Despiu-se e foi anichar-se junto ao corpo que se lhe oferecia.

E foi mais um momento em que a paixão os fez esquecer o passado e mais uma vez se entregarem.

Os corpos suados, esgotados naquele momento em que de novo esqueceram o mundo e sararam algumas feridas, deixaram a marca das unhas cravadas com raiva e desespero.

Ficaram estendidos, em silêncio.

Regressaram a casa. Joana lembrou que as obras de recuperação da casa já estavam a decorrer e, talvez fosse aconselhável ver se tudo responde aos seus desejos. Entretanto, com a chegada do calor de Julho que já se aproxima, começarão os trabalhos nas searas. Também para mim.

Luís percebeu que Joana lhe dizia para partir. Mas, para ele, partir era morrer um pouco. Sentiu que estava a mais. Nunca mais se atreveria a sonhar. No fundo, sabia que uma vez terminados os trabalhos da sua casa, a sua vida e a sua relação com Joana teria um novo sentido.

Ao voltar de mais um passeio, encontrou a mensagem que Joana deixara sobre a mesa.

Hesitou, mas começou a ler.

 

Luís o que vou escrever não é uma carta de despedida, nem um adeus.

Mas preciso de dizer.

Vivemos momentos em que o desejo, tanto tempo reprimido, venceu a razão. Mas acredita que me entreguei com toda a paixão que fui deixando crescer desde que te conheci. Mas não leves a mal o que eu disser, porque na verdade eu ainda não enfrentei os meus fantasmas. Fazer amor contigo, foi como um grito, que precisava soltar, mas continuar esta relação pode ser doloroso para ambos. E eu já sofri mais do que merecia.

Deixei morrer os meus sonhos, o amor foi uma ilusão passageira. Fiquei só.

O nosso encontro pode ter sido uma partida da vida. Juntar duas pessoas em ruína física e mental é cruel. Mas também pode ter sido uma esperança.

Preciso de encontrar o meu caminho sem sombras. sem dúvidas por isso decidi partir sem destino e sem prazo.

Não penses que eu fugi de ti, pensa antes que uma pausa poderá ser bálsamo para as minhas feridas.

Acredita como eu, talvez algum Deus me arraste de novo para os teus braços, pois eu sei que sempre te irei amar.

Adeus, não te esqueças de mim. Vai visitar a casa na colina, talvez numa sombra, num raio de sol, num recanto escondido, venhas a encontrar a alma daquela casa. E se sentires esse sentimento, vê bem, talvez a alma seja a minha.

Joana”

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D