Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

barba cabelo e gemidos

barba cabelo e gemidos

A VIDA EM CONTRAMÃO

TEMPO DE CHORAR

 

Sentada na cadeira na beira da cama do hospital onde o Pai fora internado após o AVC, Carolina sentia uma dor profunda, uma angústia por se encontrar só, enfrentando uma morte anunciada.

Lia e relia o testamento vital que o Pai havia assinado e entregue ao médico de família. Sabia e compreendia que o Pai recusara tratamentos paliativos e utilização de suportes artificiais para prolongar a vida, mas os médicos sempre lhe fizeram notar que a ela caberia a última palavra.

E era essa a decisão que ela temia.

Durante a viajem de regresso a casa, deixando na grande cidade uma parte dos sonhos de que se alimentara durante dois anos, foi interiorizando que chegaria o momento em que teria que tomar uma decisão sobre a doença do Pai. Sabia da gravidade do acidente que atirara o Pai para o limbo, onde só o coração não deixara de bater, mas tinha uma secreta esperança que o Pai iria vencer a batalha e estender-lhe a mão.

Mas dois meses passaram e o Pai nunca deu sinais de recuperação.

- O seu Pai, em teoria não está a sofrer, disse-lhe o médico, mas eu acredito que pode não ser assim. A morte cerebral pode significar o fim de tudo mas, a dúvida pode ser uma dor difícil de enfrentar.

A Carolina sabe o que o seu Pai pensava e escreveu quando estava na plena posse das suas faculdades mentais. Por isso, nós, a equipa médica do Hospital entendemos que devemos desligar a máquina de suporte e deixa-lo partir.

Carolina balbuciou a palavra sim, quero respeitar a vontade do meu Pai.

E foi só, com o olhar nublado pelas lágrimas que teimavam em cair que sentiu o vazio. Começou a pensar que vira do olhar do Pai, antes do momento final, um sinal de gratidão e um adeus. Era com esse sinal, porventura imaginário, que enfrentou as palavras de despedida dos amigos, dos colegas e de alguns familiares que quase não conhecia.

O corpo seria cremado como o Pai havia escrito e as cinzas espalhadas pelos campos do Alentejo, terra que o vira nascer.

No final, Carolina refugiu-se em casa, no apartamento que o Pai lhe havia deixado em testamento. Percorria a casa mas já tinha decidido. A casa era demasiado grande para uma mulher solteira, que nem sabia o caminho a seguir.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D